Adicionem o novo domínio do blog aos seus favoritos! www.crashcomputer.com.br

Postagens para o marcador ‘Reciclando’

   terça-feira, 3 de agosto de 2021

Recuperando uma chave catraca reversível



PéssimoRuimMédioBomExcelente (7 votos, média: 5,00 de 5)

Tenho um jogo de soquetes que comprei quando tinha lá meus 15 ou 16 anos (isso foi lá por volta de 1990). Um jogo que era trazido de contrabando do Paraguai.

Olha só a relíquia! A história de compra desse jogo foi até engraçada. Lembro-me que vi esse jogo de soquetes com um amigo mecânico, ele me disse que jogo era até que bom pra serviço mediano. Ai perguntei onde ele tinha comprado ele me falou que alguém (provavelmente um muambeiro) trouxe pra ele do Paraguai.

Passado algum tempo fiquei sabendo através de um outro amigo que ele tinha comprado um igual em uma loja de material elétrico aqui na cidade. Sim, material elétrico! Quando perguntei qual era a loja foi a surpresa que era de um amigo também. Amigo esse que infelizmente já é falecido. Fui até a loja dele e perguntei se tinha o tal jogo de soquetes.

Ele me chamou pro fundo da loja e falou que tinha. Ai pedi um e ele me vendeu. Ai vem a parte engraçada. Ele embrulhou a caixa que vinha o jogo em jornal e botou em uma sacola e me disse:

– Se alguém te perguntar, onde comprou não diga que foi aqui!

Achei aquilo muito estranho mas não questionei e fui pra casa, todo alegre de ter comprado esse jogo de soquetes.

Mas, nada é eterno! A algumas semanas fui usar a catraca pra soltar alguma porca, No que peguei a catraca e fui simplesmente mudar o sentido de rotação dela, o knob seletor simplesmente caiu no chão. O pino dele quebrou em diversas partes!

Deixei a catraca quebrada guardada por um tempo e semana passada resolvi ver se tinha salvação. Desmontei tudo e vi que tinha perdido o pino de aço que está marcado. O pino, achei um do mesmo diâmetro na lata de sucata. Era um pouco maior, cortei e pronto.

Restava  o botão seletor.

Na mesma lata de sucatas, achei alguns tubinhos de antena telescópica de radio de pilha. Achei um tubo que tinha o diâmetro exato do eixo.

Cortei um pedaço do tamanho correto, e enfiei sob pressão no que estou do eixo. E enchi de cola epóxi (Araldite 24 horas). Fiz o furo lateral que aloja a mola e pronto.

Foi montar e de volta a vida! 8-)



   sexta-feira, 30 de abril de 2021

Reformando um compressor de ar.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (5 votos, média: 5,00 de 5)

Comprei este compressor no final de 2014 no mercado livre, a preço de praticamente sucata, foi R$50,00 na época. É um Schulz CSA 7.8/25 e estava guardado no “arquivo morto” aqui esperando a vez dele de ser reformado e ter a grana pra comprar as peças.

Apesar de já ter um outro compressor de ar, este montagem caseira com compressor de geladeira, vou ficar com dois. Motivo: Este segundo se presta a uso de ferramentas pneumáticas, tem vazão suficiente. Uma coisa muito interessante do Schulz CSA 7.8 é que é um compressor isento de óleo.

O feito com compressor de geladeira não tem vazão suficiente, mas ele tem uma enorme vantagem sobre este outro, o ruido! É silencioso, você pode fazer uma pintura as 3 da manhã que não incomoda nem os grilos do quintal.

Enfim chegou a hora de reformar este compressor. O apelido dele? Porquinho… :sarcastic:

Como diz, tava uma “fartura”, sobrando sujeira e “fartando” peças adoidado. A listinha do que precisei comprar:

  • Pressostato de média pressão (100 a 140psi)
  • Válvula de segurança (140psi)
  • Cilindro (estava bem gasto)
  • Anel do pistão
  • Ventoinha (estava com as aletas todas quebradas)
  • Filtro e regulador de pressão
  • Registro de ar 1/4″
  • Bucha redutora 1/4 para 1/8″
  • Engate rápido “tradicional”
  • Par de rodas
  • Pé vibrastop

Algumas peças eu já tinha aqui no estoque como:

  • Niple e luva rosca NPT 1/4″
  • Manômetro 1/8″
  • Engates rápido 8mm
  • Mangueira Urethane 8mm
  • Tubo de cobre 1/4″
  • Trava rosca liquido

Muitas dessas peças desta ultima lista, vieram de visitas aos “shopping center”. :D

De cara o porquinho precisou de um banho caprichado. Lavei com detergente e muito esfregaço na base da bucha scotch brite. Estava bem sujo tinha restos de tinta, algum tipo de resina, de tudo um pouco grudado nele

Uma tonelada de sujeira depois, ele ficou assim.

Sim, pode lavar até o motor, não tem problema, basta secar com ar comprimido e deixar secando de um dia pro outro.

Removi todos os adesivos e mandei uma pintura nova nele.

Vista explodida, para referencia na hora da montagem.

Depois de trocar a camisa do modulo compressor, na hora de montar o anel aconteceu uma desgraça. Não me atentei que a borda da camisa depois que é feita a usinagem na fábrica fica cortante como uma navalha. Resultado na hora de montar o anel?

Toca a comprar outro anel no mercado livre e esperar chegar. Mas… espera ai. Comprei ontem a noite e diz que chega amanhã, dias 02/05, num domingão.. chuuuuuupa correios! :hot:

O que fazer, pegar uma lixa fina, grana 220, e passar de leve, muito de leve na borda da camisa removendo a rebarba afiada. Pouquinha coisa não tem problema, porque o anel não chega até o topo da camisa e a vedação é feita por um anel de borracha que vai nessa cavidade que tem em cima da camisa.

Feito isso, voilá! Funcionando.

O anel é um pouco chato de montar, ele dá impressão que não cabe na camisa, mas é assim mesmo. É chatinho de colocar. Uma coisa a lembrar é que o parafuso que prende a arruela do anel precisa ser montado com trava rosca liquido, imagina se esse parafuso solta dali com esse trem rodando a +/- 3500rpm a merda que vai dar.

Enfim, o primeiro teste de pressão, feito com sucesso.

Inicialmente montei pressostato e acessórios da seguinte forma:

O que eu não gostei, o registro azul ficou na saída do filtro/regulador de pressão. O inconveniente é que a caneca de plástico fica sempre pressurizada e eu não gostei isso. Imagina isso com 120psi e levar uma bordoada. É só caco de plástico que vai voar. Então resolvi colocar o registro antes do filtro/regulador.

Inclusive este rearranjo foi possível eliminar um niples e uma luva, que era usada como distanciador do filtro/regulador de pressão ao pressostato.

Como pode se ver, resolvi trocar o manômetro por um modelo vertical, o que fica com o visor pra cima não me agrada pois toda poeira de tinta vai acabar depositando em cima dele. Mas esse manômetro não está muito ok. Talvez eu volte o preto, mas troque a posição da válvula de segurança com o manômetro.

O porquinho está quase pronto.

Existe um vazamento de pressão que ainda não consegui identificar. Já fiz o teste de espuma nas conexões em volta do pressostato e não tem nada de errado. Existe um pequeno vazamento na válvula de segurança, pois ela fica muito próximo da pressão de abertura, mas isso deve estabilizar com o tempo ou mesmo com a queda da pressão.

Num teste que fiz ele perdeu cerca de 20psi e duas horas. Desconfio da válvula de retenção que pode estar com problemas, afinal ela não é nova, é original do compressor e como o porquinho foi muito judiado, ela pode ser o problema. Vou dar um jeito de verificar.

Verificada a válvula de retenção e era ela a culpada. Desmontei e fiz um reparo nela e ficou ok.

A carenagem precisava de uma reforma. O custo de uma nova nesta data era de R$118,00. Fora de questão.

Neste mosaico de imagens da pra ver o que foi feito. Tive que reconstruir várias das aletas da entrada de ar, a parte que marquei com uma elipse vermelha já tinha sido reconstruída. Na foto que mostra a parte interna da pra ver melhor os remendos.

A impressão que dá, é que algum objeto bateu na grade da carenagem e quebrou tudo e entrou com tudo na hélice que devia estar girando. Por isso  que precisei trocar a hélice, que estava destruída, sem as aletas.

Tudo foi colado com a “infernal” Veda-Choque. Ô cola porreta! Como o plástico é a encrenca do Polipropileno, ele é terrível e não aceita qualquer tipo de cola. Epóxi do tipo Araldite, não cola. Só essa cola de para-choques que consegue colar o Polipropileno.

Resta pintar a carenagem. E como plástico é uma nhaca pra aceitar tinta, o jeito foi seguir a risca o que os pintores automotivos fazem. Preparar a superfície com lixa e desengraxe e aplicar uma seladora de plástico.

A reforma depois de completa, o resultado foi este:

Devidamente inspecionado e aprovado pelo controle de qualidade!

Antes que perguntem se valeu a pena? sim… valeu e muito.

Um compressor similar isento de oléo na data de hoje beira os 1000 reais. A reforma gastei 450 reais nas peças.



   segunda-feira, 22 de fevereiro de 2021

Reparo de torneira.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (4 votos, média: 5,00 de 5)

Reparar uma torneira é algo trivial, pelo menos deveria ser se as torneiras não estivessem se tornando “frescas”.

Uma torneira comum como a da foto ao lado, basta um vedante de borracha que custa 1 real que você encontra em qualquer casa de material de construção do bairro, ou até mesmo no supermercado, basta olhar naquelas cartelinhas que tem utilidades.

O vedante é essa coisinha aqui que muitos devem conhecer.

Só que a “gourmetização” das torneiras, nos trás algumas coisas que considero desconsertante. Essa torneira da foto abaixo é da cozinha de casa. São essas torneiras misturadoras com registro de 1/4 de volta (preguiça de dar 5 voltas no manipulo?).

Na propaganda dela, me lembro que dizia que usava vedante em cerâmica, que não desgasta, não vaza, etc.

Mas vaza sim, com o tempo (e uso) começa a pingar.

Para consertar você pensa, basta trocar o vedante, igual a uma torneira comum. Desmontando a torneira, você tem acesso ao mecanismo vedante. Essa peça ai abaixo.

Pra desmontar e ter acesso ao selo de vedação cerâmico. Basta desencaixar a borracha branca da parte inferior com bastante cuidado para não rasgar.

Desmontado, você tem essas peças todas, exceto o anel de borracha preta, já explico o porque.

O que faz essa desgraça vazar? A borracha branca com o tempo perde a pressão e não consegue mais comprimir eficientemente as duas peças cerâmicas que fazem a vedação.

O diabo dos detalhes é que você não consegue comprar só a borracha! Tem que comprar o mecanismo completo! Tudo por causa de uma misera borracha! O mecanismo completo custa por aqui (na data deste post) a bagatela de R$25,00 e não acha em qualquer lugar.

Mas ai o brasileiro que merece ser estudado pela Nasa faz o que? Cata um kit de anéis de borracha e…

Escolhe um dos anéis mais finos que tem no kit e que encaixe dentro da sede do mecanismo.

Monta a borracha branca de volta e pronto! O anel de borracha vai servir de calço para o selo de cerâmica, aumentado a pressão entre eles e resolve o vazamento.

Mesmo o anel mais fino que tinha neste kit ainda é um pouco exagerado (notei isso depois). Talvez uma pequena arruela recortada de uma garrafa PET seja mais do que suficiente.

O anel não sofre desgaste pois essa parte do selo não mexe, não gira. É a parte que está debaixo dele que gira, presa ao castelo do registro.

Pense bem, a borracha ai serve simplesmente para fazer pressão entre os selos de cerâmica e fazer uma vedação. Se usassem uma mola de aço inox para fazer a pressão entre os selos e um simples disco de borracha para fazer a vedação do mecanismo na base da torneira, o ajuste de desgaste seria automático, tornado desnecessário a troca do mecanismo com 4 anos de uso.

Mas, a ideia é tornar a torneira descartável. Alias elas o estão cada vez mais descartáveis. Já que o fabricante não fornece peças de reposição por mais do que o prazo legal estipulado por lei. Esta dai já não acho mais reparo original, somente paralelo.

 

 



   sexta-feira, 23 de outubro de 2020

Indo ao “shopping center” – 18



PéssimoRuimMédioBomExcelente (11 votos, média: 5,00 de 5)

Não foi bem uma visita ao shopping center, mas sim algumas “inspeção de caçamba”. Mas me apareceram com essa imagem e lembrei que tinha algumas coisas pra postar aqui.

Um vizinho aqui da oficina jogou na caçamba de entulho esse ventilador/climatizador.

Qual era o defeito? Na porta traseira por onde acessa o reservatório de água e a tela que faz a evaporação existe uma pequena chave que desliga o climatizador, para que os idiotas não enfiem o dedão no ventilador girando…

Que eu fiz? A chave era meio alienígena. Simplesmente dei um bypass na chave e pronto. Tá funcionando maravilhosamente bem!

Observe que tem duas caixas de som a direita do climatizador. Essas caixas também vieram de uma caçamba. Eram de algum 3 em 1 CCE dos mais vagabundos. Problema das caixas? Só o “pé” que estava esfarelando, como vou usa-las pendurada na parece, removi os restos do pé e pronto.

Uns tempos depois em outra inspeção de caçamba, achei estes dois alto-falantes:

Problemas? O estúpido que os guardou, deve ter colocado um em cima do outro, e o peso (e atração magnética) amarrotou o cone do que ficou embaixo. Os amarrotados ficaram moles e decentralizava o falante. Fiz um “endurecimento” do papel com cola de cianoacrilato, uma demão de tinta latex pra melhorar a aparência e pronto. Como vai pra dentro da caixa de som, o tecido ortofonico da tela frontal esconde praticamente tudo, não vai dar pra ver nem a cor azul escuro.

E como alto-falante é pra ouvir e não pra ver… está perfeito!

Tive que fazer uma pequena “adaptação” na caixa pra caber o falante novo e maior.

Comparando o alto-falante original (e safado) das caixas da CCE com esses novos:

As caixas ficaram top! Vou usar no “kit” multimídia do PC. :tooth:

Os comentários do blog ainda estão com pau, não tive tempo/saco pra consertar.

O sistema de comentários foi consertado.



   sexta-feira, 10 de abril de 2020

Se não existe um caminho…



PéssimoRuimMédioBomExcelente (7 votos, média: 5,00 de 5)

… Eu faço um. }:D 

Hoje foi um dia daqueles típicos que você se vê obrigado a resolver seus problema por conta própria, porque quem poderia fazer o serviço ter “arregado” ou pela impossibilidade de conseguir o que precisa rápido, ao alcance de uns dias e não uma eternidade vinda da China :time: .

A primeira delas é que precisei de um soquete de bateria, para uma bateria SL-750 de lítio inorgânica. O soquete pra isso existe, custa barato, mas pergunta se acha fácil fácil e rápido? O jeito é fabricar um a partir da sucata.

O tubo preto saiu de uma velha bateria de notebook. É o enchimento que colocam pra tomar o lugar de uma “pilha” não usada, pra tudo não ficar jogando lá dentro. As chapinhas com mola saiu de algum radinho de pilhas velho ou brinquedo. Era justamente o contato do suporte de pilhas de alguma coisa que virou sucata.

Um pouco de cola, lixa e dremel, e isso tudo, virou isso:

Com a bateria instalada:

Ficou bom né? :-P 

A segunda coisa foi o seguinte, um embornal (ou bolsa como queira) de lona que eu tinha a anos, estava tão podre que não tinha mais conserto. Como eu tinha aqui uma bolsa que era de um alforje pequeno que foi cortado e divido em duas bolsas separadas, pensei em pregar uma alça nela e promove-la a embornal.

Como alça, usei uma guia de cachorro que cortei e usei a tira de nylon. Ai precisava costurar isso a bolsa. Procurei algum tapeceiro pra fazer isso e só achei um trabalhando. Quando expliquei o que precisava ele arregou inventando um monte de dificuldades. :aiaiai: 

Voltei pra casa e fiquei pesando em como resolver. Enquanto desmontava a fivela original, que era presa por sistema de ilhós, me deu um estalo! No dia anterior arrumando umas coisas aqui, encontrei isso:

Esta coisas sobraram de um projeto antigo, são ilhoses e chapinhas compradas em lojas de armarinho.

O resultado? Bem, as pontas para não desfiar, passei o ferro de solda bem de leve na ponta e derreti os fios, deixando a ponta da tira selada.

Por dentro coloquei pequenas arruelas pra que a lona não desfie. Os furos na lona e alça foram feitos com um vazador.

A fivela reaproveitada que deu a idéia de como resolver o problema, pois é presa pelo mesmo sistema dos ilhós.

E o que sobrou da gambiarra, que mais que deu certo. Um mosquetão bem avantajado que vai ficar guardado esperando algum uso que possa surgir. O resto da cinta vai pro lixo pois é muito pequeno pra servir pra alguma coisa.

Gosto deste tipo de embornal pequeno (são muito usados por pescadores pra carregar a tralha de pesca) pra carregar as coisas como celular, carteira, chaves, quando estou andando de moto. Mais prático. Essas coisas no bolso, de moto é pedido pra um desastre. Já quebrei celular desse jeito, já perdi chave.

Então me habituei a carregar essas coisa no embornal. :coffe: 



   segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Lâmpadas.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (9 votos, média: 5,00 de 5)

O que vocês geralmente fazem com lâmpadas CFL ou de LED quando elas “queimam”? :-?

Bem, eu costumo desmontar pra retirar o reator eletrônico, para reaproveitar o toroide que tem neles. Mas nessas idas e vindas desmontando lâmpadas, você se pergunta, porque não tentar consertar, se não estiver muito “torrada”?

Pois bem, passei a fazer isso a algum tempo atrás. Em geral eu ganho essas lâmpadas de amigos que naturalmente iram jogar no lixo.

Esses dias estava com uma caixa aqui que juntou umas 15 lâmpadas pra desmontar e ver o que dava pra reaproveitar. Destas aproximadamente 15, consegui recuperar 7 delas, as abaixo.

São 3 LED e 4 CFL. Defeitos?

As de LED com bocal E27 era apenas capacitor estufado ou ESR nas nuvens. A tubular, apenas a bobina do driver estava solta dentro do tubo, essa lâmpada é praticamente nova, e levou um tombo e arrancou a bobina da placa. Umas gotinhas de cola rápida, dois pontinhos de solda e voilà, funcionando.

As CFL. A G&E, reator pifado, troquei um bom que saiu de outra. A Philips, fusível queimado e um transistor em curto. A Osram um diodo em curto e fusível queimado e a FLC também troquei o reator inteiro.

  • Ah… mas compensa consertar? o_O

Bem, tudo ai pro lixo, certo? Em geral verifico se vale a pena da seguinte forma.

LED, basta dar uma boa olhada nos LED, se não estiverem com um “furinho” preto, pega o multímetro analógico e testa um por um. Se estiverem OK, o driver foi pro espaço. O driver em geral estufa capacitor ou morrem em definitivo. Quando é capacitor, troca. Um capacitorzinho de 50 centavos e pronto. Se o driver morreu, pega de uma outra lâmpada led sucata que esteja bom e seja da mesma potencia.

Se tem led pifado, se for um ou dois no máximo, eu troco, pego de lâmpada doadora. Mais que isso vira sucata doadora de peças. Não aprovo o que já vi muita gente fazendo que é tirar o led ruim e colocar em curto, deixando um led a menos.

As CFL, primeiro observo se o “pé” do tubo de vidro não está preto. Se está, é lixo e só tiro o reator. Se não está preto, abro com cuidado e meço a continuidade dos filamento do tubo. Se ok conserto, se aberto, novamente tira o reator e joga o resto na reciclagem.

O reator se perder mais do que 5 minutos nele vai pra caixa de sucatas. Se estiver muito “cozido” (em geral a placa fica marrom) é sucata também. Em geral inspeção visual já se acha os defeitos. Quando tem fusível, se esta queimado, olhar os diodos da ponte retificadora e transistores. Olhe também os resistores de baixo valor que estão ligados nos transistores. Troca o que está aberto ou em curto. Não funcionou? Sucata. No caso de o bulbo estar bom pego outro reator de potencia igual na caixa de sucata e monto no lugar.

A caixa de sucatas pra salvar as candidatas.

Agora respondendo se “compensa”.

Pra mim, sim!

Uma LED custa por volta de 12 a 15 reais aqui no supermercado. Uma CFL de 8 a 12 reais.

Bota a 10 reais cada uma ai… são 70 reais que tirei do lixo. 8-)



   quarta-feira, 12 de junho de 2019

Reciclando.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (10 votos, média: 5,00 de 5)

Um amigo ia jogar tudo fora só porque estava já meio enferrujado. Eu que sou daqueles que não gosta de jogar as coisas fora falei pra ele: Passa pra cá que eu reaproveito assim mesmo. :tooth:

Observando bem de perto deu pra ver que a ferrugem era apenas superficial, deve ter espirrado um pouco de água e deixaram secar ao natural. Ai enferruja mesmo. Pena que não me atentei de fazer uma foto de como estava antes, alias nem era idéia postar isso aqui.

Ué… mas cadê a ferrugem?  :hmm: Quem é meio metido a alquimista caseiro sabe como resolve problema de ferrugem.

Deixei de molho em uma mistura de 1/2 copo de vinagre e 1 1/2 de água por 5 horas e adeus ferrugem. Lavagem com uma solução de 1 copo de água e 1 colher de chá de bicarbonato de sódio pra neutralizar o ácido acético do vinagre.

Depois é só lavar bem e secar forçosamente (usei um secador de cabelos) e por fim adicionar algumas gotas de óleo singer e misturar tudo até sumir, bota no jornal pra escorrer algum eventual excesso e pronto, pode guardar e reutilizar. :wink:



   sábado, 29 de dezembro de 2018

Ganhei esta parafusadeira como brinde por participar um painel de pesquisas online de uma empresa conhecida, e isso faz tempo, esse programa não existe mais, uma pena, pois você juntava pontos e trocava por brindes e podia escolher o brinde que mais lhe agradava ou que você precisava numa espécie de lojinha. Saudades.

Curiosamente isso acabou no “desgoverno” do PT, quando também várias empresas pularam fora do Brasil. Até pra isso eles serviram.

Mas vamos lá, esta parafusadeira já tem uns 5 anos comigo, e a bateria começou a falhar. Não segura mais carga. Então, resolvi reformar a bateria.

Mas, que tipo de bateria colocar ali? As originais eram de NiCD, velhas conhecidas por efeito memória, etc… Olhando pras gavetas aqui, vi que tenho várias 18650 dando sopa aqui. Então pensei, porque não converter a bateria pra usar as 18650 e ganhar uma autonomia maior?

Curiosamente, meu amigo Pakéquis teve a mesma idéia, alias, tivemos praticamente juntos!

Pois assim que ele fez o post, fazia cerca de uma semana que tinha recebido da china, a plaquinha de controle de carga! Porem tive problemas com a compra. Havia comprado um kit com 5 placas, e o chinês me enviou apenas uma! Toca abrir disputa e pedir reembolso da diferença do valor, mas deu tudo certo.

Então vamos desmontar. Por sorte a bateria é fechada com parafusos, nada de cola!

Até parece que foi feito pra usar 6 baterias 18650! Coube certinho! Essas 18650 saíram de um pack de bateria de notebook que deu defeito na placa de controle, então todas as 6 baterias estavam ok!

Fecha certinho, sem forçar nada!

Esta é a placa de controle de carga que usei, foi comprada no AliExpress. Caso o link ai não funcione no futuro, pesquise por 18650 3s board. Tem vários modelos, escolha a que couber melhor no seu projeto.

A ligação não tem segredo. Utilizei duas 18650 em paralelo para cada grupo. Para manter as baterias fixas e facilitar a montagem, colei uma a outra com super-cola.

Para ligação usei pedaços de fio retirado de uma sucata de fonte de PC.

Dá pra acomodar tudo sem dificuldade alguma no pack original. Pra manter a plaquinha longe dos contatos das baterias, usei os próprios isolantes que existiam na bateria original.

Aqui as baterias velhas da parafusadeira, que foram descartadas corretamente nos “papa-pilhas” que se encontram por ai pra recolher baterias usadas.

Para carregar continuo usando o carregador original da parafusadeira, a corrente é baixa, mas carrega, demora um pouco mas carrega certinho. A autonomia total ainda não sei estimar, já usei a parafusadeira pra fazer uns serviços bem pesados e agüentou bem! Não arriou!



   sábado, 2 de junho de 2018

Indo ao “shopping center” – 17



PéssimoRuimMédioBomExcelente (6 votos, média: 5,00 de 5)

Como as vacas estão magras, até as visitas aos “shopping centers” estão raras. Mas como estou planejando (e precisando) de uma melhoria na  nova bancada da oficina, fui atrás de uma prateleira de aço que fosse baratérrima. (E foi, custou 15 reais :$: )

E achei! Uma que era fabricada por um amigo (já falecido) aqui na cidade, que é literalmente a prova de bala! Usa uma chapa bem mais grossa que as que se acha pra vender por aqui.

Claro que pra achar isso foi preciso visitar vários  dos “shoppings” aqui da cidade. Nessas visitas deu pra achar umas coisinhas bem legais. A maioria da miudeza os donos nem quiseram cobrar, já que não tem valor algum.

Temos ai,  um cabinho P2-P2, um pedaço bem grande de fio “brasileirinho” que é usado para cabo de aterramento, alguns pezinhos mas que também servem como parafuso de aperto manual, alguns conectores e baluns, duas bombas de aquário (que cortaram os cabos mas estão ok, já testei) e 11 fitas cassete.

Essas fitas cassete serão reaproveitadas pra fazer um “repro” das fitas do CCE MC1000.  Sim, eu tenho uma “desgraça”  dessa. (:)

Essa é a  estante. Tem uns pontos com ferrugem, mas é muito superficial, uma boa lixada e nova pintura vai ficar zero bala! Principalmente acabando com essa salada de cores! :sarcastic:

É uma prateleira de quatro bandejas, mas vou cortar os trilhos no meio e fazer duas de duas bandejas. Assim que estiver pronto, mostro como ficou. Se nada der errado vou lixar daqui a pouco e a pintura será feita na segunda-feira.



   quarta-feira, 25 de abril de 2018

Indo ao “shopping center” – 16



PéssimoRuimMédioBomExcelente (6 votos, média: 5,00 de 5)

Oi…. não morri.  .:lol:. Tamos na labuta e pondo a casa em ordem.

Vamos a mais uma visita aos “shopping center”? :tooth:

Bem… mais ou menos. Comprei uma serra circular “Makita” de 7″ de um catador de sucata por 15 reais. Tava toda meio desmontada (parafusos mal apertados) mas com a aparência muito boa! A foto a seguir é dela toda desmontada e com a as peças já devidamente lavadas. Uma pena que esqueci de fazer foto dela como veio, afinal tava bem sujinha de poeira e graxa.

Defeito da serra? Motor completamente torrado! Estator e induzido. Porque jogaram fora e não consertaram? Descobri isso tentando comprar um induzido novo pra ela… O pinhão do induzido desta aqui tem 9 dentes. Os originais tem 7 dentes pelo que me lembro. A solução? Mandar reformar.

O custo da reforma do induzido ficou em 110 reais. Também troquei o rolamento do lado do coletor de das escovas que estava apresentando ruído. Eu não tinha um sacador de rolamento aqui, o jeito foi improvisar um. :-P

Pra economizar um pouco eu mesmo rebobinei o estator. Comprei 200 gramas de fio esmaltado por 20 reais e ainda sobrou muito fio. O cartão para isolação das bobinas e o espaguete de fibra emborrachada já tinha aqui nas minhas bagunças.

Uma bobina pronta, vamos pra segunda.

Estator pronto pra ser montado. Não envernizei as bobinas, apenas prendi com abraçadeiras plásticas.

E a belezinha montada e testada.

Pois é… se eu tivesse uma dessa quando fiz o telhado do cafofo não teria ralado tanto minha velha Bosch Hobby… A Bosch sofreu pra caramba pra cortar as peças de madeira, a ponto de ter que parar diversas vezes pra ela esfriar, sem falar que ela usa disco de 5″ que não acha mais hoje.

O gasto total pra reformar essa serra foi de 110 reais do induzido, 20 reais do fio para o estator, 7 reais do rolamento novo e 5 reais duas escovas novas. E.. o 15 reais do sucateiro. Total da brincadeira: 157 reais pra ter uma serra circular de 7 polegadas.

Até que esteve muito bom, não é mesmo? 8-)

 

Edit em 31/05: Como alguns pediram um comparativo de preço, segue.

Uma serra Makita similar custa nesta data em média R$650,00
Uma serra genérica, mas cópia da Makita custa em média nesta mesma data R$330,00

Então fiquei com uma serra que posso considerar em estado de nova pela metade do preço de uma nova. Como disse acima esteve muito bom! ;-)



  Melhor visualizado a
1024 x 768 True color
Proudly powered by WordPress. Theme developed with WordPress Theme Generator.
E altamente gambiarrado por mim mesmo :)
Copyright © 2010 by Crash Computer. All rights reserved.
Switch to mobile version