Adicionem o novo domínio do blog aos seus favoritos! www.crashcomputer.com.br

Postagens com a tag ‘Reforma’

   sexta-feira, 30 de abril de 2021

Reformando um compressor de ar.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (5 votos, média: 5,00 de 5)

Comprei este compressor no final de 2014 no mercado livre, a preço de praticamente sucata, foi R$50,00 na época. É um Schulz CSA 7.8/25 e estava guardado no “arquivo morto” aqui esperando a vez dele de ser reformado e ter a grana pra comprar as peças.

Apesar de já ter um outro compressor de ar, este montagem caseira com compressor de geladeira, vou ficar com dois. Motivo: Este segundo se presta a uso de ferramentas pneumáticas, tem vazão suficiente. Uma coisa muito interessante do Schulz CSA 7.8 é que é um compressor isento de óleo.

O feito com compressor de geladeira não tem vazão suficiente, mas ele tem uma enorme vantagem sobre este outro, o ruido! É silencioso, você pode fazer uma pintura as 3 da manhã que não incomoda nem os grilos do quintal.

Enfim chegou a hora de reformar este compressor. O apelido dele? Porquinho… :sarcastic:

Como diz, tava uma “fartura”, sobrando sujeira e “fartando” peças adoidado. A listinha do que precisei comprar:

  • Pressostato de média pressão (100 a 140psi)
  • Válvula de segurança (140psi)
  • Cilindro (estava bem gasto)
  • Anel do pistão
  • Ventoinha (estava com as aletas todas quebradas)
  • Filtro e regulador de pressão
  • Registro de ar 1/4″
  • Bucha redutora 1/4 para 1/8″
  • Engate rápido “tradicional”
  • Par de rodas
  • Pé vibrastop

Algumas peças eu já tinha aqui no estoque como:

  • Niple e luva rosca NPT 1/4″
  • Manômetro 1/8″
  • Engates rápido 8mm
  • Mangueira Urethane 8mm
  • Tubo de cobre 1/4″
  • Trava rosca liquido

Muitas dessas peças desta ultima lista, vieram de visitas aos “shopping center”. :D

De cara o porquinho precisou de um banho caprichado. Lavei com detergente e muito esfregaço na base da bucha scotch brite. Estava bem sujo tinha restos de tinta, algum tipo de resina, de tudo um pouco grudado nele

Uma tonelada de sujeira depois, ele ficou assim.

Sim, pode lavar até o motor, não tem problema, basta secar com ar comprimido e deixar secando de um dia pro outro.

Removi todos os adesivos e mandei uma pintura nova nele.

Vista explodida, para referencia na hora da montagem.

Depois de trocar a camisa do modulo compressor, na hora de montar o anel aconteceu uma desgraça. Não me atentei que a borda da camisa depois que é feita a usinagem na fábrica fica cortante como uma navalha. Resultado na hora de montar o anel?

Toca a comprar outro anel no mercado livre e esperar chegar. Mas… espera ai. Comprei ontem a noite e diz que chega amanhã, dias 02/05, num domingão.. chuuuuuupa correios! :hot:

O que fazer, pegar uma lixa fina, grana 220, e passar de leve, muito de leve na borda da camisa removendo a rebarba afiada. Pouquinha coisa não tem problema, porque o anel não chega até o topo da camisa e a vedação é feita por um anel de borracha que vai nessa cavidade que tem em cima da camisa.

Feito isso, voilá! Funcionando.

O anel é um pouco chato de montar, ele dá impressão que não cabe na camisa, mas é assim mesmo. É chatinho de colocar. Uma coisa a lembrar é que o parafuso que prende a arruela do anel precisa ser montado com trava rosca liquido, imagina se esse parafuso solta dali com esse trem rodando a +/- 3500rpm a merda que vai dar.

Enfim, o primeiro teste de pressão, feito com sucesso.

Inicialmente montei pressostato e acessórios da seguinte forma:

O que eu não gostei, o registro azul ficou na saída do filtro/regulador de pressão. O inconveniente é que a caneca de plástico fica sempre pressurizada e eu não gostei isso. Imagina isso com 120psi e levar uma bordoada. É só caco de plástico que vai voar. Então resolvi colocar o registro antes do filtro/regulador.

Inclusive este rearranjo foi possível eliminar um niples e uma luva, que era usada como distanciador do filtro/regulador de pressão ao pressostato.

Como pode se ver, resolvi trocar o manômetro por um modelo vertical, o que fica com o visor pra cima não me agrada pois toda poeira de tinta vai acabar depositando em cima dele. Mas esse manômetro não está muito ok. Talvez eu volte o preto, mas troque a posição da válvula de segurança com o manômetro.

O porquinho está quase pronto.

Existe um vazamento de pressão que ainda não consegui identificar. Já fiz o teste de espuma nas conexões em volta do pressostato e não tem nada de errado. Existe um pequeno vazamento na válvula de segurança, pois ela fica muito próximo da pressão de abertura, mas isso deve estabilizar com o tempo ou mesmo com a queda da pressão.

Num teste que fiz ele perdeu cerca de 20psi e duas horas. Desconfio da válvula de retenção que pode estar com problemas, afinal ela não é nova, é original do compressor e como o porquinho foi muito judiado, ela pode ser o problema. Vou dar um jeito de verificar.

Verificada a válvula de retenção e era ela a culpada. Desmontei e fiz um reparo nela e ficou ok.

A carenagem precisava de uma reforma. O custo de uma nova nesta data era de R$118,00. Fora de questão.

Neste mosaico de imagens da pra ver o que foi feito. Tive que reconstruir várias das aletas da entrada de ar, a parte que marquei com uma elipse vermelha já tinha sido reconstruída. Na foto que mostra a parte interna da pra ver melhor os remendos.

A impressão que dá, é que algum objeto bateu na grade da carenagem e quebrou tudo e entrou com tudo na hélice que devia estar girando. Por isso  que precisei trocar a hélice, que estava destruída, sem as aletas.

Tudo foi colado com a “infernal” Veda-Choque. Ô cola porreta! Como o plástico é a encrenca do Polipropileno, ele é terrível e não aceita qualquer tipo de cola. Epóxi do tipo Araldite, não cola. Só essa cola de para-choques que consegue colar o Polipropileno.

Resta pintar a carenagem. E como plástico é uma nhaca pra aceitar tinta, o jeito foi seguir a risca o que os pintores automotivos fazem. Preparar a superfície com lixa e desengraxe e aplicar uma seladora de plástico.

A reforma depois de completa, o resultado foi este:

Devidamente inspecionado e aprovado pelo controle de qualidade!

Antes que perguntem se valeu a pena? sim… valeu e muito.

Um compressor similar isento de oléo na data de hoje beira os 1000 reais. A reforma gastei 450 reais nas peças.



   terça-feira, 5 de junho de 2018

Reforma da prateleira para a bancada.



PéssimoRuimMédioBomExcelente (6 votos, média: 4,83 de 5)

Como disse no post anterior, segunda-feira foi o dia de pintura da prateleira. Lixei tudo o que foi necessário usando um disco flap no sábado mesmo. A tinta que resistiu ao disco de lixa, então tá bem grudada, que fique ai. :sarcastic:

Na segunda apliquei o fundo eliminador/fosfatizador de ferrugem. A tinta escolhida foi um resto que tinha aqui que sobrou da pintura das outras duas prateleiras que já havia reformado a cerca de 3 meses.

Inicialmente pensei em fazer a pintura com rolo de espuma, mas na ultima hora decidi fazer no compressor e pistola de pintura. Cortei as colunas no meio pra fazer duas prateleiras menor conforme o planejado e vamos a tinta.

A cor é conhecida como Cinza Chassi Scania. É um cinza bem neutro, combina com qualquer coisa. :tooth:

Todas colunas pintadas… vamos as pranchas.

Penduradas no varal pra tomar um sol durante a manhã e espero que a tarde já esteja seco ao ponto de pelo menos manipular. Usei thinner como solvente, pra acelerar a secagem. Se fosse na água raz levava uma semana, no mínimo! :time:

Assim que secar, vem a parte mais chata, desocupar a bancada pra poder montar a prateleira e popular a prateleira!



   quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Arrumando a oficina nova…



PéssimoRuimMédioBomExcelente (6 votos, média: 5,00 de 5)

Bem… a famigerada mudança acabou… já entreguei as chaves do prédio antigo pro novo locatário, cópia das contas pagas dos últimos 3 meses e zé-fini! 8-)

Mas… agora aproveitando que tá tudo de pernas pro ar, e já que vou ter que por a casa em ordem, porque não começar reformando o que está velho e caquético?

Inicialmente eu comecei reformando as duas fontes que eu uso na bancada.

A primeira foi a ajustavel, que recebeu pintura nova, polimento no acrílico dos medidores, leds para iluminar os medidores, uma limpeza interna, cabo de força novo e com tomada tripolar 2P + Terra (tomada jabuticaba, aqui não!) e troca dos bornes. Uma pena que eu não tirei fotos do antes.  :aiaiai: Mas vamos só ao depois então.

Acredite, essa fonte estava horrivelmente feia, a pintura estava toda zoada.

A segunda foi a fonte que uso pra alimentar meus rádios que uso durante o teste dos rádios dos clientes.

Essa ganhou uma lata nova no painel (não tinha) pra fazer a mascara, pintura, troca dos bornes e troca de boa parte da fiação interna que estava com a capa muito ressecada e quebradiça por causa do tanto que essa fonte esquenta quando a uso a plena carga.

Esse ímã do disk bancas grudado no painel dela tem uma história bem engraçada, qualquer dia que der na telha eu conto a história.

A próxima reforma foi a estação de retrabalho SMD. Troquei a mangueira, refiz o suporte da manopla que estava quebrado, desmontei novamente a bomba que eu já tinha desmontado a um tempo atrás por um defeito e montei algo errado e coloquei um soquete NEMA pra poder usar um cabo de força removível. Alias, nem sei porque o fabricante não fez assim originalmente.

Ela vai ficar sem pintura por enquanto, pois não quero mudar a cor dela… e não dá pra comprar uma lata de tinta dessa cor por enquanto.

E hoje foi a vez da bancada em si. Essa bancada é praticamente a mesma que usava antes, só que tive que trocar os tampos que é feito com uma porta. A antiga os cupins se incumbiram de liqüidar. Por sorte a madeira que usei para os pés, os cupins não apreciaram o sabor.

O tampo antigo usava a porta “crú”, direto na madeira. Dessa vez decidi usar algum revestimento mais resistente. Estava entre lençol de borracha de 3mm e a fórmica. Ganhou a fórmica por dois motivos: Mais barato e tinha aqui na cidade a pronta entrega.

Alias a quem interessar saber, o custo da reforma da bancada:

Porta nova usada como tampo: R$130,00
Chapa de fórmica: R$59,00
Fita de borda: R$23,00
Cola fórmica: R$15,00
Oléo de linhaça: R$14,00
Cupinicida: Usei um sobra que já tinha aqui. Não lembro quanto custou.

Usei fórmica branca lisa, que é mais fácil de limpar. Apliquei também as fitas de borda pra ficar legal.

A fórmica eu mesmo cortei e colei no tampo.

Só falta que ficou pra hoje a tarde, dar uma mão de óleo de linhaça com um pouco de cupinicida na parte debaixo do tampo e nos pés, pra garantir que nenhum cupim faça de minha bancada sua próxima refeição e “minha casa, minha vida”. }:D



  Melhor visualizado a
1024 x 768 True color
Proudly powered by WordPress. Theme developed with WordPress Theme Generator.
E altamente gambiarrado por mim mesmo :)
Copyright © 2010 by Crash Computer. All rights reserved.
Switch to mobile version